domingo, 23 de maio de 2010

Guitare Xtreme (Revista de Rock Francesa) - Matt Bellamy em entrevista "Guitar Hero do Século XXI"



O “Guitar Hero” do século 21.
Eles percorreram um longo caminho, os rapazes dos Muse, desde o seu concerto inicial parisiense no MCM Café, em 1999 ( Clube mais tarde renomeado de O’ Sullivan), até aos concertos gigantescos e pirotécnicos da tour The Resistance. No dia 12 de Junho de 2010, Matt Bellamy, o “Guitar Hero” futurista  ao comando de seu “power trio”, irá conquistar o “Stade de France”. Nós o convidamos a redescobrir o universo musical deste maestro do pop e do rock progressivo.
A história do trio vencedor do “power pop” começa com Rocket Baby Doll, um pequeno grupo local de Teignmouth, um lugar no meio do nada em Devon, na Inglaterra. O grupo típico de adolescentes revoltados do meio dos anos 90, nasceu de uma onda de choque sonoro entre duas entidades musicais rebeldes e subversivas: Nirvana e Rage Against the Machine, o guitarrista e cantor Matt Bellamy fez os riffs usando trechos de Nirvana, AC/DC e Smashing Pumpkins. Este repertório, foi pouco a pouco dando lugar  à suas próprias composições, carregando em seu bojo, os seus dois amigos, Dom Howard (bateria) e Chris Wolstenholme (baixo). O destino da jovem banda poderia ter parado ai, mas em 1996, Matt, em estado de choque, toma consciência plena do seu potencial e do potencial do seu grupo. Ele decide, então, acelerar o seu trabalho  e arrumar maneiras de realizar o sonho de sua vida, levar seu grupo ao topo do rock britânico. Dois anos mais tarde, o trio se rebatiza Muse e entra para história. Um contrato com a Maverick ( selo de Madonna), uma série de obras de arte e uma chuva de prêmios. Em seis albuns, os Muse simplesmente tornou-se o grupo de rock líder da cena europeia, subindo as escalas do sucesso com uma velocidade meteórica. Ao mesmo tempo, Matt Bellamy impõe-se como uns dos guitarristas mais inovadores do início do século com um jeito de tocar inflamado, também brilhante que inspira, sintetizando com perfeição as influências do rock clássico, do punk, do progressivo e do heavy metal. A proxima missão? Colocar os Estudos Unidos de joelhos e rendida ao seu poderio musical. Mas, antes que esse rei da Europa se torne o rei do mundo, a “Guitare Xtreme”, proporciona a você uma retrospectiva sobre o percurso deste artista fora do comum.

Rocker Predestinado?
Pensa que Matt Bellamy é um génio saído de nenhum lugar? Não exactamente. O seu pai, George Bellamy, é um guitarrista excepcional e mesmo um ex-astro. Nos anos 60, ele exerceu seu talento nos Tornados, um grupo ultra tecnológico para a época e que estava em competição com os Shadows. O seu hit instrumental, Telstar, que foi lançado em 1962 na Inglaterra, influenciou David Gilmour e Pete Townshed. Com um pai destes, difícil é de não contrair o vírus do rock ‘n roll, embora a sua visão do trabalho de músico não fosse francamente glamour durante sua infância, como ele explica: “Em casa, eu jamais tive impressão de ter sido criado por uma pessoa famosa, em seguida ele deixou o meio para exercer um trabalho normal. Mas, ele tocava guitarra todo tempo na nossa sala”. Ele reconhece ter sido influenciado pela música dos Tornados,e, notadamente, pelo psicodélico Telstar, de onde ele tirou inspiração para o riff de Knights of Cydonia. Esta canção continua muito original, principalmente para a época em que foi feita. Talvez seja por isso que a idéia de inovar esta presente também na minha própria música.

De Rachmaninov a Cobain
No entanto, Matt não se refugiou na guitarra até a adolescência, quando ele começou a compor as suas próprias canções com o fim de exorcizar seu sofrimento depois do divórcio de seus pais. Ele confessa: “Eu acho que é um pouco engraçado por causa do meu pai que eu comecei a tocar, ele me fazia falta e tocar era uma maneira de me reaproximar dele.” Antes de escutar Hendrix e Kurt Cobain, Matt tocava piano como passatempo e nós podemos dizer que os primeiros músicos que o influenciaram não tocavam guitarra. Veja você mesmo: Serguei Rachmaninov, Frederic Chopin, Serge Prokoviev, Hector Berlioz. Além disso, esses compositores contribuíram largamente para aprimorar o seu senso de composição nos Muse e não é surpreendente ver interludes pianísticos neoclássicos no meio de canções como Space Dementia e Hoodoo e obviamente em Butterflies and Hurricanes. Desde o primeiro álbum dos Muse, Showbiz (1999), a herança do piano clássico está cada vez mais presente na musica de Matt. Ele explica: “O arranjo de Sunburn não soava bem na guitarra, então eu decidi tocá-la no piano. Foi isso que restaurou meu gosto por esse instrumento.” Mas a ambição de Matt vai além e o músico olha para grandes massas orquestrais. O grande final, Exogenesis, do último álbum The Resistance é um prenúncio de seus talentos como arranjador e de suas ambições sinfônicas: “Eu provavelmente farei outras peças épicas com este tipo de orquestração”, confessou-nos em 2009.

A guitarra e a atitude
Se Matt é irresistivelmente atraído pela estética musical dos grandes compositores românticos, a guitarra permanece como instrumento mais apropriado para canalizar sua raiva e sua inspiração imediata. Ele faz sua pequena análise: “A guitarra é um instrumento mais lúdico e espontâneo, como ela nós não somos totalmente controlados ou previsíveis. Ela me incita a tocar de uma maneira mais improvisada e a ultrapassar meus limites, deixa cometer alguns erros.” A guitarra na qual ele começou a tocar não é outra senão aquela com a qual seu pai George gravou os hits Telstar e Robot: «  As minhas mãos eram muito pequenas para permitir que eu tocasse acordes, eu tocava usando um «bottleneck».


Um som de concreto armado 
Os Muse baseiam-se em texturas eletrônicas e orquestrais para criar os arranjos de suas canções, mas a sua coluna vertebral é a guitarra de Matthew, cujo som é massivo e omnipresente em musicas como Hysteria, Plug in Baby (sem dúvida nenhuma, um dos grandes riffs dos anos 2000), Knights of Cydonia e Unnatural Selection, mesmo que se a guitarra está um pouco de lado em The Resistance, pois a maioria das peças foi composta no teclado. No momento das gravações, Matt não economiza em recursos, combinando entre eles numerosos amplificadores (Marshall super lead modificado, Vox AC30, Diezel, Matchless, Dickinson, Mills acoustics e etc). Verdadeiro cientista louco, ele experimenta, nas gravações de som, utilizando ao máximo ambientes naturais das cabines de seu estúdio: “Dado que somos um trio, podemos utilizar muito microfones nos nossos instrumentos. Pessoalmente, eu às vezes tenho vários nos meus alto-falantes. Os microfones de proximidade são pré-mixados, mas as numerosas faixas de ambiente nos oferecem uma grande flexibilidade na hora da mixagem.” Esta técnica o permite de obter um som “cheio”, sem abusar de muitas camadas de laminação. Nos três primeiros álbuns, eu dupliquei, tripliquei ou quadrupliquei as minhas partes. A partir de agora, eu prefiro apostar em uma única faixa principal, que fica na posição vertical de uma ponta à outra. Assim, o som fica mais potente e eficaz.
Outra técnica diabolicamente eficaz: quando Matt grava um riff com pesados “power-chords”, ele divide em notas individuais e grava cada linha separadamente. Ele reduz, em seguida, tudo para uma mesma faixa. Som “no seu rosto” garantiu.

Um equipamento saído de Star Trek
Quer seja no palco ou no estúdio, o equipamento do líder dos Muse parece um verdadeiro arsenal.  Mais uma vez, quebra convenções e inventa novos conceitos pra materializar as sonoridades mais selvagens. Pronto para uma visão geral?

Manson: as guitarras que matam
Desde 2001, as guitarras personalizadas do inglês Hugh Manson tornaram-se uma parte integrante de imagem de Matt Bellamy. A maioria daquelas que ele adquiriu depois de 2006 possuem uma descoberta feita por ele mesmo: um Kaoss Pad (uma tela retangular para controlar parâmetros de certos efeitos digitalmente e em tempo real). Entre elas, há a Kaoss, a Chrome Kaoss, a Red Glitter, a Black Midi e ainda a  M-1-D-1. As versões anteriores (007, Mirror, Chrome Bomber, Ali Top, Delorean, Lazer, Bomber) não estão equipadas. Outra particularidade extraordinária: a maior parte das Mansons de Matt embarcam em circuitos de efeitos integrados ( incluíndo a famosa Z.Vex Fuzz Factory, de Phase 90 MRX  ou Whammy Digitech). Originalmente, a maioria destas obras de arte foram montados  com “humbuckers” com um alto nível de saída (ou Bare Knuckle Nailbomb Rio Grande Crunchbox). Para Black Holes, Matt tornou-se orientado micro-tipo P-90 (Bare Knuckle Mississippi Queen e BKP92). Para a gravação de The Resistance, ele montou o Kent Armstrong Burstbucker em algumas guitarras, um extremo microfone equipado com quatro rolamentos. Seis deles estão equipados com Fernandes Sustainer, sistema que combina um microfone e um circuito eletrônico.

As outras guitarras
No início dos Muse, Matt tocava numa Yamaha Pacifica e uma Peavey Wolfgang, que ele adquiriu somente porque ela era equipada com um sensor Roland GK-2. Esta ultima foi destruída no palco e lançada ao publico por Matt. Muitas outras guitarras tiveram o mesmo destino (Ibanez Iceman Destroyer E, Jackson Rhoads, PRS Billy Martin). Matt coleciona guitarras e baixos. Ele tem alguns belos exemplares de Fender, Gibson, Gretsch e uma guitarra Dan Armstrong Plexiglas.

Uma armada de amplificadores
Bellamy tem alguns dos melhores amplificadores já construídos no mundo. Os modelos mais vintage (Vox AC30, Marshall 1959 hw Super chumbo, Fender Twin Reverb Black Silver) lado a lado com a nata da produção recente (Diezel DH-4, Budda Superdrive Série II Decatone Soldano, Dickinson MK2, Matchless DC-30). Quando se tem dinheiro…

Efeitos da carne de bovino
O “pedalboard” de Matt consiste de um fundo de suporte Contol Liquid Pro MIDI Foot Controller, dois pedais de volume Ernie Ball e um afinador Korg. Na prateleira há um delay en rack tc electronic 2990 e um rack Teletronics Skydstrup (recomendado por Matt  por The Edge), uma unidade Echopro Line 6, um harmonizador Eventide e alguns pedais (dois Z. Vex Fuzz Factory, Digitech Whammy dexu, compressor Robert Keeley.

O guitarrista do futuro?
O estilo único e generoso de Matt, que combina força, sensibilidade e delírios sonoros, parece fazer concordarem todos os guitarristas, independentemente de seus fundamentos: o “pistoleiro” de Devon é provavelmente o único que incorpora com perfeição o som de uma época na qual as informações se multiplicam e colidem na velocidade da luz. Nós deixamos as ultimas palavras com ele: “Eu sou um músico muito curioso, um tipo de explorador. Eu mergulho em todos os tipos de música sem preconceitos, para encontrar elementos interessantes e alimentar minha própria música. Isto acontece provavelmente porque eu sou um músico da nova geração e evoluí com a internet. Eu sou um guitarrista futurista? Eu não sei. Talvez um dia eu possa-me teletransportar durante os concertos (risos).”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Sociable

MUSE - UPRISING